segunda-feira, 24 de maio de 2010

Palavras e silêncios

Sempre fui quieta, calada e muito tímida e o pouco falar me fez desenvolver o meu lado observador. Gosto de observar as pessoas quando elas falam, sacar a entonação da voz, o jeito como movimentam as mãos, sorriem etc. Poucas me intrigam tanto quanto uma pessoa que conheci há pouco tempo por intermédio de um amigo. O engraçado que antes de conhecê-lo pessoalmente tivemos papos telefônicos
Tem nome composto, imagens gravadas no corpo, olhos bonitos que me lembram outras coisas bonitas,  tem um sorriso sincero, mas fala pouco.
Não é do tipo que faz indiretas, faz se tiver a fim, senão também não faz, mas é calado,parece preso em um universo meio distante,  daqueles que quase ninguém tem a chave.
Se você mostra opções, ele diz: escolhe! Se você cala, ele cala também, sorrir,chega perto, esboça um carinho, mas ninguém sabe de nada.
Diante de um silêncio tão pesado, em que nem os talheres se ouvia bater na mesa. resolvi, na minha curiosidade jornalística e intrometida,  perguntar: Pq vc é tão calado?
Resposta: eu sempre sou assim! Depois voltou a pergunta para mim: Ué, porque você está fazendo o silêncio do almoço?
Eu digo cá com meus sapatos: Eu não sei. Será que esse silêncio todo já me fez perder a voz?

1 sobrou pra você!:

4 x Luciana disse...

ei, o tal bonitão com nome composto num tem é assunto mesmo, vai falar o q?? hum um um... é as vezes é melhor calar