terça-feira, 25 de maio de 2010

Comportamento de balada


Eu gosto muito da vida noturna, não só porque gosto de dançar, mas porque adoro os tipos que a gente encontra. Já fiz vários amigos em uma noite, já dancei até o chão, dei confiança pra algumas pessoas, depois me arrependi e outras coisas que fazem parte das páginas coladas, mas enfim...existem algumas situações e frases que a gente só ouve e vive em uma boa balada, daquelas que a gente lembra e rir ou esconde a cara no travesseiro no dia seguinte (quando nem se consegue abrir os olhos). Selecionei algumas situações e se alguém lembar de outra, pode contar.

"Eu não te conheço de algum de lugar?" : essa é clássica, desde criança eu já sabia que existia, mas não pensei que era usada até hoje. Porém, juro por todas as bolsas e maquiagem que tenho que ouvi isso em uma boate em Minas. Apesar de dizer que o cara não me conhecia, ele só se convenceu depois de insistir muito que eu era maranhense e nunca tinha pisado em BH.

Corra, Lola, Corra: esse é um comportamento que não nego, utilizo bastante. Funciona assim, o carinha se aproxima e não me agrada, eu sou simpática, dou risinhos e digo que vou ao banheiro ou fumar (apesar de nunca ter fumado antes), aí depois é corra, Lola, corra para o outro lado da pista e depois é só fingir que nunca viu o cara antes.

Amigos do peito: depois do terceiro ou quarto copo eu fico amiga demais e meu amor não é só para os meus amigos que estão lá me aguentando, transmito essa paz de espírito aos demais presentes. Teve um dia que eu paguei (claro que com dinheiro do meu amigo) três cervejas para um pirralho que estava fazendo aniversário e que, de repente, achei que merecia a minha consideração.

Periguete: Dançando até o chão, pouca roupa, com erotismo na alma. Figuras fáceis na balada e, cá pra nós, algumas moças de família e me incluo nisso já requebraram  até o chão em uma roda de amigos. Se você nunca fez isso, corra para a pista mais próxima e espere tocar o primeiro funk e vai descendo...

Espírito de católica: por ser criada na religião cristã, eu tenho em mim uma essência de solidariedade, de preocupação com o próximo que chega a ser irritante. Outro dia, passei parte da minha noite cuidando de um bêbado, adolescente e todo vomitado, simplesmente porque fiquei com pena de deixar o rapaz em apuros sozinho em uma escada. Como se eu conhecesse ou tivesse comprado a cerveja dele. Enfim, vaga no céu!

2 sobrou pra você!:

4 x Luciana disse...

kkkkkkkkkkkkkk, vaga no céu, é?? hum um um, se tu vier até Teresina, quem sabe num rola o tal do até o chão, chão, chão, chão, chão, chão!!! kkkkkkkkkk

cazeck disse...

o "Run Lola, run" é ótimo...rsrs