sábado, 11 de agosto de 2007

O Cheiro do Ralo


Não é bonito ser Lourenço ( Selton Mello, mas aos poucos a gente consegue ter uma certa identificação com ele, seja pelas tiradas ríspidas ou pela solidão.Quem sabe até pelos desejos estranhos, ou pela obssessão do ralo ( nunca se sabe né)
O fato é que O Cheiro do Ralo te envolve completamente e, por mais estranho que possa parecer, conseguimos torcer por aquele homem chato, detestável que submete pessoas necessitadas a algumas situações constrangedoras.
O roteiro do filme( Marçal Aquino e Heitor Dhalia, baseado em livro de Lourenço Mutarelli)é perfeitinho. O filme possui diálogos excelentes e tiradas sensacionais como a clássica: " Mulher é tudo igual, se bobear os convites vão para a gráfica".
Além disso, Selton Mello, como sempre com atuação primorosa. Enfim, o filme é uma excelente opção para quem não está afim de sair de casa para ver mais uma comédia com final previsível.

3 sobrou pra você!:

zema ribeiro disse...

sei que a coisa toda vai muito além do que digo agora, mas: mutarelli é foda! abraço!

NEY FARIAS disse...

UM DIA, SELTON MELLO GANHARÁ UM OSCAR DE MELHOR ATOR. DEPOIS DISSO, O CINEMA BRASILEIRO VAI DEIXAR A PERIFERIA DA SÉTIMA ARTE.

BEIJOS.

Andre S. disse...

Discordando da opinião acima, o cinema brasileiro não está na periferia. Existem bons filmes brasileiros, que vão muito além da capacidade de reconhecimento da indústria norte-americana. Raciocínios com esta abordagem é que realmente devem estar na periferia do razão, da estética e da própria opinião acerca de todo o cinema.

Mas ao que interessa: o Cheiro do Ralo é um ótimo filme. Com uma ótima direção de arte e roteiro magnifíco. O Selton é um bom ator e não precisa de elogios. Gostei mesmo foi: "Senhor, me descupe a minha cara, mas eu preciso de dinheiro", muito boa!!

A produção brasileira precisa de mais espectadores que é pequena por levarmos em consideração premiações irrelevantes quando se fala em qualidade como o oscar. Talvez seja por isso que os nossos cinemas 'bobos, feios e maus' como diz jurnelei exibem pouco do cinema nacional, uma periferia de si mesmo apenas. Porém esta visão está mudando graças a Deus. Come on baby, come on...