sábado, 25 de agosto de 2007

Ela queria acreditar que dessa vez seria diferente. Ele ia parar de beber, de sair de bater e quem sabe ensinar a ela como é o sexo com prazer.
Pelo menos foi isso que pensei, quando ouvi aquela mulher falar para amiga em um ônibus lotado que o marido estava mais carinhoso, depois que ela tinha saído de casa. Olhei para ela e vi um olhar de sofrimento junto com o suor de um coletivo lotado de manhã. Tentei identificar a tal felicidade e a certeza de que o casamento estava tomando outro rumo. Não encontrei.
Assim como também não encontrei no rosto da amiga ouvinte um pouco de crédito naquele papo. Também não acreditei em nada que ouvia. Tentei traçar o perfil. Casou cedo, estudou pouco, tem que chacoalhar no ônibus todos os dias para trabalhar como doméstica ganhar um salário de merda, mas que ajuda a pagar o aluguel,ou o fiado no mercardinho do bairro. Isso quando o " homem" da casa não leva o dinheiro para o bar
Qual seria seu nome? Maria? Carla? Raimunda? Será que já tinha mais de trinta...rosto envelhecido, mas nunca se sabe
Senti raiva daquela mulher, mas depois preferi não julgar. Talvez pelos filhos? Condições financeiras ruins ou mesmo por dependência emocional do parceiro...ela preferia perdoar em cada deslize...Assim, quando a noite chega, as casas se fecham ninguém sabe o que acontece.Só espero que ela tenha coragem de ganhar o mundo e deixar de acreditar em uma mudança que talvez nunca venha

3 sobrou pra você!:

NEY FARIAS disse...

OI, BRUNA. TUDO BEM?

MAIS UMA VEZ, QUERO TE DIZER QUE SEU TEXTO ESTÁ ÓTIMO. LI SUA ÚLTIMA REPORTAGEM SOBRE O CENTRO DE LANÇAMENTO DE ALCÂNTARA. TIVE QUE LER, NÃO É MESMO? PURO DEVER DE OFÍCIO. MAS TEM A MINHA PALAVRA DE QUE FOI NOVAMENTE UMA ÓTIMA LEITURA, CONTRA A SOLIDÃO DA REDAÇÃO DE "O ESTADO".

QUANTO A ESTA SUA CRÔNICA, ACREDITO QUE TUDO SERÁ DIFERENTE, NÃO SÓ NA VIDA DA MULHER QUE VOCÊ MENCIONOU, MAS NO MUNDO INTEIRO, SE TODO MUNDO COMEÇAR A AMAR DE VERDADE. HOJE, O QUE HÁ É UM SIMULACRO DO AMOR. NADA ALÉM DISSO.

UM ABRAÇO, MEU ANJO.

Rogério Felício disse...

Não conhecia seu blog,e logo de cara leio esse texto!
Muito bom parabéns.
Essa é a dura realidade de muitas mulheres no Brasil...
parabéns!!!

Bruno disse...

Pois é... pessoas que mentem pra si mesmas, mas quem sabe os motivos?

Ótimo relato...
bjos!!!