sábado, 10 de julho de 2010

Esquecimento

Eu preciso não lembrar que aquele dia foi bom e que em pouco tempo a sua voz meio rouca e meio tímida invadiu os meus ouvidos e conquistou uma parte de mim. Também é melhor esquecer das tintas no seu braço, aliás,para o meu bem, nem é bom lembrar que você tem braços,  nem entrar em detalhes da sua anatomia tão trabalhada, exaustivamente trabalhada...
Prefiro não detalhar o quanto tudo foi bom e também da minha sensação com pequenos gestos, como o jeito que você tocava a ponta do meu nariz.
 Quero esquecer sua cara de sono de manhã, com seus imensos olhos insuportavelmente verdes. Ah! Guardei aqueles sapatos vermelhos, não quis que eles estragassem, afinal, ninguém pode me ajudar, na minha distração, a desviar dos buracos.
Por esquecer de tudo, este texto tem o seu nome. Para você, por tudo vivido com pressa e aproveitado de menos. É para ti, mesmo que você nunca leia, mesmo que você nem mereça que mais de 23h eu esteja aqui tentando, sem sucesso, te escrever coisas bonitas. Quero te  guardar  em um lugar que por mim mesma não se perca. 
Não, eu não quero vê-lo  vestido de azul.

1 sobrou pra você!:

Roberto Sampaio disse...

Lindo. Lindo e completamente verdadeiro.
Te amo.