sábado, 19 de janeiro de 2008

Sábado na tevê

Assistindo Altas Horas:
Bruna Lombardi, Bruna Surfistinha e Paulinho Vilhena (???)
Ok, a Lombardi foi lá falar do filme que parece ser bom, quando eu assistir, juro que comento. Ando meio sem tempo, tanta coisa acontecendo e eu sem dizer nadinha...Bem, o Vilhena foi sei lá fazer o quê, mas arriscava e, até se saiu bem, em algumas opiniões sobre cinema
Agora a Raquel Pacheco que colocou na cabeça que Bruna seria um bom nome para prostituta...eu não sei responder o motivo da sua participação
Gente, sem preconceitos, mas o que é Bruna Surfistinha sendo entrevistadas? Depois de três livros ( sim, ela finaliza o terceiro) e aposentada da profissão que diabos essa mulher ainda tem para contar? Acho que todas as dúvidas sobre as opções dessa moça e a história triste de bebida e de drogas, e muitos clientes, todo mundo sabe e não precisa ter lido todos os livros. Ninguém é ingênuo e informações fofocas a gente bem sabe onde encontrar, mas o que me chamou atenção é que parece que a história dela vai virar filme.
Alguém me explica qual relevância social disso? Já sei vão me falar das meninas de classe média que possuem um monte de coisa, mas por problemas de criação acabam entrando em um caminho sem volta e blá blá bla
Sinceramente, eu li algumas páginas do primeiro livro, não entendi as motivações dela para o sexo pago. Parecia mesmo fetiche e, sem falso moralismo, deu a impressão que, em muitos momentos, ela adiciona aos rituais de programas muitas pitadas de glamour, a grande maioria dos clientes eram limpinhos e delicados. Sexo é bom, pago e carinhoso parece legal...mas pura fantasia, essa moça nunca chorou arrependida? Essa profissão nunca foi cruel? A única coisa que fez ela largar a vida foi a paixão pelo rapaz lá? Eu duvido!
Será que a história da moça nas telas não terá o efeito contrário? Ao invés de levantar um assunto de alerta as famílias de classe média, estimular o diálogo com os filhos esse filme não dará a profissão, que não deve ser fácil, um tom de idolatria, maestria e se tornará a síndrome da cinderela burguesa pós-moderna?
Por favor, o assunto em livro já é mais que suficiente.

2 sobrou pra você!:

Andre S. disse...

Parece piada, relevância social. hauihauaha tem filme de tudo, livro de tudo e doido pra tudo. viva a merda do mundo!!! beijos meu bem, estou tão entusiasmado hoje! hehe Bom domingo de descanso q eu vou trabalhar. fuiz.

Diego metido a Pires disse...

"síndrome da cinderela burguesa pós-moderna?"
Risos...interessante