quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Erotismo a flor da pele

Espero por você na biblioteca. Em qualquer uma ou em todas elas...


Outro dia escrevi um poema que postei aqui no blog e dediquei ao amigo Marcio Pombo, músico, ator e todas as outras possibilidades artísticas que ele pode desempenhar. Conheci pelas voltas que esta Internet dá e desde então, disse que um dia mostraria um dos meus poemas que sempre escondia. Não mostrei nenhum antigo, criei um novo para ele logo depois que assisti ao filme "O Livro de Cabeceira", de 1996 quando eu era uma teen boba e banal. Em resumo o filme fala sobre uma moça que se torna escritora, mas as coisas não são só isso.
Nagiko cresceu em uma tradicional família japonesa, sua mãe morreu, e seu pai (Ken Ogata), escritor, a cria com a ajuda da tia (Hideko Yoshida). A cada ano, em seu aniversário, seu pai escreve de forma ritualística uma saudação em seu rosto e nuca. Com o tempo, Nagiko passa a aguardar ansiosamente tais momentos. Sua tia a presenteia com um livro de uma escritora japonesa do final do século dez, chamada Sei Shonagon, o Livro de Cabeceira.
Parece simples o resumo, mas a força poética deste filme é muito intensa, principalmente, quando Nagiko ao invés de só esperar as escritas passa a escrever também nos corpos de seus muitos amantes. A relação com um tradutor bissexual interpretado por Ewan McGregor  apimenta ainda mais cada um desses rituais, mas não vou contar os detalhes do filme, o que me impressionou foi o roteiro com linguagem absolutamente poética, sedutora e que te prende do começo ao fim e não te deixa passar impune. Em várias cenas eu quis rever, anotar trechos e ainda completamente apaixonada pelo filme, escrevi o poema. Se minhas recomendaçoes são válidas, acho que vale muito à pena procurar.

2 sobrou pra você!:

Jorge Bastos disse...

Vou procurar esse filme...

cazeck disse...

Também gostei bastante desse filme! Acho que marcam também as listas das coisas que mais amam e mais odeiam... outro dia lembrávamos desse filme em minha casa.